Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Os Novos Zandingas

por Nunovsky Ops, em 30.07.20

Governo avança com reabertura de bares e discotecas, mas sem pista de dança e com fecho às 20h

https://expresso.pt/sociedade/2020-07-30-Governo-avanca-com-reabertura-de-bares-e-discotecas-mas-sem-pista-de-danca-e-com-fecho-as-20h

 

Pá, e não é que os Gato Fedorento tinham razão... Autênticos oráculos dos nossos dias...

Ai se a malta da Dgs e do Governo assinam a Netflix.... Vai ser bonito...

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:14

A noite que não foi mas aconteceu

por Nunovsky Ops, em 26.06.20

Pela primeira vez deste que há registos não houve festas de São João no Porto ou em parte alguma e os primeiros relatos vêm de Fernão Lopes no séc. XIV. Este estava na cidade portuense com intenção de preparar uma visita do Rei, coincidindo com a véspera de São João e, por isso, referiu que na cidade as gentes do Porto faziam uma grande festa. Existe também uma cantiga da época que fazia alusão a que até os moiros da moirama celebravam o São João, o que nos permite concluir que a festa é ainda mais antiga, mesmo anterior ao século XIV. 

Esta festa é celebrada em diversas localidades portuguesas nomeadamente em Alcácer do Sal,  Angra do Heroísmo, em Braga, em Tavira, etc mas é na Mui Nobre, Leal cidade Invicta que os festejos têm mais impacto nacional. Chegada a noite de São João, vemos fogareiros a assar sardinhas, mesas compridas instaladas nas ruas , os primeiros martelinhos chiam ao longe, começamos a ver os primeiros os balões nos céus e a excitação contida da folia que se aproxima. Mas este ano... 

Logo este ano, depois de tudo o que estamos a passar, merecíamos uma festa como o São João. Precisávamos dos sorrisos espontâneos de novos e velhos, dos abraços e contactos genuínos, das "marteladas" indigentes, do sentimento de pertença a algo que nos transcende e, sobretudo, precisávamos da magia e do céu iluminado pelos balões e pelo fogo de artificio. Como precisamos...

Mas este ano, o festejo do São João foi especial e mais carregado de sentimento... Sentimento de dever de responsabilidade à semelhança de outras ocasiões da pandemia. E foi festejado com a família de sangue e coração como se tratasse da Páscoa ou o Natal.

Certa imprensa de Lesboa apelidou-a de "noite de enterro"... Não conseguem entender a importância que para as populações da "província" têm festas e romarias como a Páscoa em Braga, o Sr. de Matosinhos, as Festas da Sra da Agonia ou a feira de São Mateus...

Cá nos mantemos e cá nos aguentamos... Para o ano vai ser a dobrar...

 

P.S. Acho incrível como os autarcas das cidades do Porto e Gaia (Portus+Cale) se põem a jeito de serem apelidados de bairristas, parolos e provincianos... Já não bastavam terem a lata de agir em prol dos respectivos munícipes em vez de esperarem pelo poder central, perceberam erradamente que a DGS tinha emanado as recomendações para o S. João tardiamente...

Ó senhores, a DGS deu as recomendações com 364 dias de antecedência... Santa incompetência...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:45

O que o vírus nos deu

por Nunovsky Ops, em 05.06.20

Quando era miúdo (um "catraio" ou "ganapo" como diziam na minha terra) uma das coisas que mais me frustrava era quando a minha "avó" (que era a minha ama) me perguntava se eu tinha olhado ou tinha observado alguma coisa... Para um projecto de gente com cinco ou seis anos, aquilo fazia-me uma confusão dos diabos... Então as respostas eram consoante os dias: às vezes "olhava", outras "observava". Algum dia iria acertar na resposta...

Vem isto a propósito da faculdade que foi posta à nossa disposição pelo nosso omnipresente e enjoativo Covid-19: poder olhar e poder observar. Isto porque já passou tempo suficiente para ser feita uma análise desprendida de basicamente tudo... e podermos constatar que olhamos para certos assuntos e que estes merecem um olhar mais atento, mais pormenorizado... uma observação cuidada (mas subjetiva).

Assim, vimos que no inicio da crise do vírus, o Governo foi impelido a seguir as recomendações  de grande parte da população que se auto-confinou parando o país. E a DGS ia ziguezagueando ao sabor das noticias vindas de fora e das indicações do Governo sobre a falta de dinheiro e recursos...

Por falar em recursos, muitos empresários viram a lenta ruína bater-lhes à porta enquanto que a outros predestinados, pela nossa incompetência governativa, surgiram oportunidades de negócios da China. Foi o resultado da estratégia de "navegar à vista" e ao sabor do vento... Eram precisas máscaras? Compravam-se quaisquer máscaras... Eram precisos ventiladores? Talvez não, mas a opinião publica pressionava, e então comprou-se ventiladores mesmo com instruções em mandarim... e mesmo que uma parte deles ainda não tenha chegado a território nacional...

O confinamento foi necessário? Sem duvida pois era necessário evitar o colapso do SNS como em Itália e Espanha. A "sorte" do SNS foram os profissionais de saúde que não nos faltaram apesar de serem uns dos patinhos feios da Administração Publica.

E o SNS não colapsou e quase todos os municípios fizeram o que o governo central deveria ter feito junto dos mais idosos e dos mais desprotegidos. Sim, em 2020 ainda existe um pestilento odor centralista em Portugal. Só se consegue observar isso de fora da bolha da capital do império... Lá de dentro só se vê provincianos e bairristas bacocos e saloios cá fora...

Quanto à pobreza e às dificuldades, que aqueles que estão desempregados ou em layoff sofrem, estão a ser olimpicamente ignorados por uma comunicação social engajada e distraída com reeleições, com as boçalidades dos Bolsonaros e Trumps e com outras indignações do momento. 

E assim, enquanto uns tentam sobreviver e outros pensam na praia, conseguimos observar que no nosso extenso Governo não existe um tipo capaz de pensar numa estratégia para sairmos deste desastre. O Sr Costa teve de contratar (mais um) consultor para nos guiar no meio da escuridão... Lá vamos nós ter aqueles projectos do costume, aqueles processos de intenções partidários tipo miss Mundo, e vamos ter os resultados habituais... Tudo no espírito do nacional porreirismo e os outros que decidam...

Vendo o mês de Junho e observando as previsões para o Verão, só espero é que não sejamos castigados com grandes incêndios... Alguém ouviu falar de prevenção e combate? Aguardo instruções da DGS para os Bombeiros semelhantes aquelas dadas aos Nadadores Salvadores...

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00

As criancinhas e os números

por Dafrog, em 13.05.20

De forma "brilhante", a Dra. Graça Freitas da DGS, veio explicar aos portugueses quais as orientações a seguir para a prevenção da Covid-19 (sim da e não do pois isso implicaria outro texto) nas creches que reabrem para a próxima semana.

Começou por dizer "-retirar das salas todo o material que não estiver lá e que não seja para ser usado como brincadeira-". Até fiquei paneleiro dos olhos quando ouvi esta frase. Ora bem, pressupõe-se que numa sala de uma creche, todo o material existente nessa sala seja necessário para todo o tipo de actividades lúdicas para crianças que podem ir dos 4 meses até aos 5 anos. Logo retirar o que já lá não está creio que é pedir demais.... Vejamos outra "-os brinquedos que lá estão serem desinfectados com frequência-": parece que estou a ver a Ritinha a ficar vermelhinha depois de lamber o carro do Noddy acabado de ser desinfectado com o belo do creme à base de álcool...E para terminar a melhor de todas, o sono das criancinhas "-eu creio que não vai ser difícil para as creches cumprirem com estas orientações (lol)...invertendo as crianças uma com uma cabeça para um lado a seguinte ao contrário e vice-versa". Presume-se que as crianças, e logo as crianças, durmam que nem múmias, quietinhas e "sogadinhas".

E agora, em jeito de comédia, sabem quem escolheu o Governo para liderar o grupo de trabalho para apurar as necessidades da TAP devido à pandemia? Nada mais nada menos que João Nuno Mendes, pupilo do famoso Secretário Geral das Nações Unidas, o engenheiro Guterres carago. É fazer contas...

E por falar em contas, alguém está a precisar de um empréstimo, assim em jeito de migalhas, no valor de 800 milhões de euros? Aproveitem que o Sr. Mário está um mãos largas. Se o Dr. Centeno descobre...é que o Costa pelos vistos não sabia...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:19



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


subscrever feeds




Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D