Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



O Tempo

por Nunovsky Ops, em 29.04.20

Gostaria perdessem um pouco do vosso tempo a ler isto...

O Tempo é algo que não vemos mas existe, não damos conta que ele passa mas sempre o sentimos. Não o controlamos mas ele controla-nos. Isto parece sério mas não é...

O Tempo é usado há muito tempo para muitas coisas... Se o tempo está mau andamos deprimidos e mal-humorados mas, pelo contrário, se está bom tempo então a nossa disposição muda logo, ficamos mais sociáveis e alegres e os noticiários têm sempre uma parte dedicada ao tempo independentemente das tragédias que possam estar a acontecer...

Isto leva-me a pensar que o tempo mascara-se de diferentes tipos...

Há o tipo meteorológico que, como dizia o Markl, desbloqueia conversas no elevador  "Ora então o tempo esfriou, não é?" ou enche conversa no barbeiro "Pois diz que vem aí calor sr Pinto...".

Há o tipo financeiro onde os empresários e banqueiros nos dizem que o "tempo é dinheiro" e o tipo económico onde os académicos ensinam que até os custos fixos se tornam variáveis com a variante "tempo" na equação.

Há também aquele tipo de tempo que é uma obsessão na aviação: "temos que tirar os tempos da rotação", o avião tem que sair no tempo (on time), os códigos do atraso do tempo de saída...

Há o tempo sociológico onde todos os indivíduos, ao longo do curso da sua existência vão, na cultura e sociedade em que estão inseridos, substituindo um tempo interiorizado por um tempo que lhes passa a ser cada vez mais ditado por ritmos externos e sobre os quais não detêm qualquer tipo de controlo ( aqui o menino ainda se lembra do que estudou...).

Temos ainda o tipo de tempo ocioso quando andas por aí a passar ou a matar tempo, assim como o tempo filosófico de "dar tempo ao tempo" ou ainda "tudo tem o seu tempo". Há o tempo medicinal "o tempo tudo cura" !!!

Alguns dos mais castiços são o tempo futebolístico com "as entradas fora de tempo", o das causas-desculpas "não fui votar por estava mau tempo" ou "não lavei a loiça porque não tive tempo...".

Marcel Proust dizia que o amor é o espaço e o tempo tornados sensíveis ao coração.

Mas o meu preferido é o tempo histórico. Este tempo consegue relativizar ou fomentar a importância de algo, de alguém e das suas ações.

Desta forma, conseguimos perceber com a distancia histórica do tempo que o Aeroporto de Beja e o Sr Pinto de Sousa foram, ambos os dois, uma perda de tempo e dinheiro. 

Com o tempo percebemos que existem pessoas que são fracas, desprovidas de carácter e personalidade... Foram (tempo verbal)... Outras, ao longo do tempo, mostram a sua integridade, a sua essência.

A sociedade muda e adapta-se mas as pessoas, individualmente, muito dificilmente... nem com vírus...

Como diria Manuel Machado (o homem mais citado neste blogue) "um cretino será sempre um cretino"... E olha como o tempo passou...

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 12:36


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.




Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


subscrever feeds




Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D