Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Som do Dia

por Nunovsky Ops, em 17.07.20

Será que é alguém da família Gonçalves? As coincidências são muitas...

  • Filipe Gonçalves - Dança Joana

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:17

Som do Dia

por Nunovsky Ops, em 16.07.20
  • Delfins - A côr Azul

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:23

Som do Dia

por Nunovsky Ops, em 15.07.20
  • Deolinda - Corzinha de Verão

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:52

Som Para Sempre... Ao Vivo

por O mar de Espinho, em 13.07.20

Pois é, 35 anos passados sobre o maior (até à altura) e talvez primeiro evento global do mundo. A 13 de Julho de 1985 deram-se reuniões e reencontros monstruosos em palco, tanto em Filadélfia- JFK Stadium, como em Londres, no antigo Wembley. Nesta data aconteceu o Live Aid.

Este concerto ficou marcado por atuações extraordinárias- Queen, U2 e sim, David Bowie (favor ver a reação do público durante o seu set e notem que foi durante a sua actuação que os donativos atingiram o pico) e por algumas desilusões- a tão aguardada reuinião dos Led Zeppelin, com a desastrosa actuação na bateria de Phil Collins, que já agora, actou em Filadélfia, depois de uma actuação em Londres e de uma viagem no saudoso Concorde.

Hoje o video é de homenagem à efeméride, mas não é nenhum dos grandes. Hoje vamos aqui ter o Money for Nothing dos Dire Straits, com coros do Sting, tal como a música foi originalmente gravada.

Durante as gravações originais de Brothers in Arms, de Outubro de 1984 a Fevereiro de 1985 existiram algumas coincidências felizes na gravação desta música. Na gravação, o então baterista da banda Terry Williams foi substituído por um músico de jazz de Monserrat (onde a banda se encontrava de férias e decidiu gravar este trabalho), Omar Hakim, sendo este também creditado na sua participação. Sting encontrava-se de férias ao mesmo tempo na ilha e foi convidado para gravar a segunda voz, ao estilo de "Don't Stand so Close To Me" dos Police, na praia, o que fez. Aqui canta com os Dire Straits ao vivo, julgo que pela primeira vez. Só o terá repetido muito posteriormente. Por último, o característico som de guitarra nesta música foi encontrado por um feliz acaso na colocação dos microfones no seu amplificador- Mark Knopfler pede ao seu técnico de guitarras que lhe encontre um som ao estilo dos ZZ Top e durante a colocação de microfones do amplificador, o técnico, Ron Eve, ouve um som fantástico, quando um microfone apontava para o chão, o segundo "mais ou menos" na direção da coluna e o terceiro, para o lado oposto da sala (6x8 metros). A música acabou por ser gravada com este som.

Brothers in Arms foi dos primeiros albuns gravados de forma totalmente digital e foi também um dos primeiros a ser comercializado em formato CD.

A letra da música foi escrita por Mark Knopfler e Sting (o refrão que canta) e foi inspirada por uma visita de Mark Knopfler a uma loja de electrodomésticos em Nova York, com uma parede coberta de TV's sintonizadas na MTV. Foi também inspirado pelo funcionário de jardineiras, camisa aos quadrados e botas de trabalho.

O video serviu de Inauguração às emissões da MTV Europe- foi o primero video a ser passado neste canal.

Assim e sem mais demoras,

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:01

Som do Dia

por Nunovsky Ops, em 13.07.20
  • Cool Hipnoise - Ponto Sem Retorno

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:04

Som do Dia

por Nunovsky Ops, em 12.07.20
  • Xutos & Pontapés - Tonto

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:45

Som do Dia

por Nunovsky Ops, em 11.07.20
  • Da Weasel - Casa (vem fazer de conta) feat. Manel Cruz

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:37

Som do Dia

por Nunovsky Ops, em 09.07.20
  • Tiago Bettencourt - Se me Deixasses Ser

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:19

O Futuro e o trabalho

por Nunovsky Ops, em 08.07.20

Com a crise já instalada e com o seu avolumar a avizinhar-se, a "nova realidade" que enfrentamos provoca receios, ânsias, frustrações e esgotamentos emocionais. 

As relações laborais, outrora minimamente equilibradas, estão agora ameaçadas pela "nova normalidade" covidiana. As reestruturações, os tele-trabalhos e os planos de contingência serão, certamente, palco para algumas posturas tirânicas por parte de alguns gestores tolhidos pelo medo e incerteza.

A este propósito, acho importante transcrever uma parte da opinião da Raquel Varela sobre esta temática. A Raquel é Historiadora do Trabalho e, se bem que não a acompanho em muitas questões, faz uma análise muito assertiva desta problemática: "Futuro".

https://raquelcardeiravarela.wordpress.com/2020/07/07/futuro/

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:51

Som do Dia

por Nunovsky Ops, em 08.07.20

Um clássico de Verão...

  • Afonsinhos do Condado - Rolar no Chão

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:16




Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


subscrever feeds




Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D