Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Saudade

por Dafrog, em 16.04.20

Dizem que é a palavra mais exclusiva da nossa amada língua. Muitos outros povos a usam mas, só os portugueses a sabem empregar.

Andam todos com saudade de fazer tudo. O famoso tudo em que muitos insistem que "vai ficar tudo bem".

Nada será como dantes, e o meu cabelo depois de cortado pela "cabeleireira cá de casa" muito menos...

Mas as saudades aumentam, a cada dia que passamos enclausurados a ver aqueles de quem gostamos através de um pequeno ecrã.

Sentimos saudades dos amigos, dos pais, dos irmãos, da praia, do futebol (ai que saudades de gritar GOLO a plenos pulmões naquele mítico estádio no final da N105), dos aviões, dos "morangos" da Rosa, do barulho de uma raquete a bater violentamente numa bola em direcção ao outro lado do court, do café ou da cerveja na esplanada, das viagens por mais pequenas que possam ser (e das mais longas ainda mais), do som do Nelson a trincar uma bolacha, dos sábios conselhos gastronómicos do Miguel "Phelps", dos sábios conselhos do Moreirinha, de rir em bando, de poder comer uma "sandes" sentado na areia (como o meu filho disse esta semana).

Mas é este optimismo retrospectivo que faz de nós portugueses.

O optimismo português faz-se sentir exclusivamente a tudo o que já passou...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:15

Raisparta o virus

por Nunovsky Ops, em 16.04.20

Raisparta o vírus.

Estou em casa desde o dia 16 de março. Faz hoje um mês. Quinze dias a fazer de co-professor do miúdo que passou a ter aulas em casa. Porreiro pá.

Depois a empresa mandou todos para casa em layoff um mês porque as máquinas deixaram de voar... Não se sabe até quando... Raisparta o vírus. Entretanto o sr. Costa diz que as escolas não abrem mais e os putos estudam à distancia... Lá estou eu a fazer de professor assistente a um tipo que, agora, já sabe mais de Microsoft Teams que eu... O fundo das videochamadas do gajo é uma praia paradisíaca... E ontem já ensinou estas cenas aos professores e amigos... Lá se foi a vantagem informática...

Raisparta o vírus... Como é que uma coisita, que se parece uma daquelas bolas de borracha que damos ao cão para que deixe de roer a instalação elétrica do jardim, conseguiu mudar esta merda toda... E se a vida já não andava boa a partir de agora, jasus!!

Raisparta o vírus... A política, o futebol, a imprensa, as pessoas ficaram com a vida de pernas para o ar... Até a mim me deu para escrever estas coisas porque deixei de poder massacrar os meus amigos com as minhas merdas...

Raisparta o vírus... E o Centeno que ia para o Banco de Portugal? Eish, coitado. E o Costa que ia ter o excedente orçamental? Eish, coitado. E o Rio, e a Joacine, e o Ventura, a Catarina e o gajo com olhos de banzado do CDS? Eish, coitados. E o Porto que ia ser campeão, e o Benfica que ia vender o manel por 125 milhões, e o Sporting que... pois, e o Marega, e uuuuu Vitória, e a seleção???

Raisparta o vírus... E agora? Quando é que o Migas vai nadar? Quando é que a Suzi vai ter unhas? Quando é que o ruca vai beber agua que arde? Quando é que o tio Nerso vai ao ginásio? Quando é que o soninho acorda?

Uma coisa é certa, e parafraseando esse grande utente da N105 e linguista do futebol nacional - Manuel Machado, "um vintém é um vintém, um cretino é um cretino".

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:26

N105

por Nunovsky Ops, em 15.04.20

N105

Estrada que liga Guimarães ao Porto e vv.

Duas cidades orgulhosas das suas origens, do seu passado, do seu peso e da sua cultura. E devem tambem olhar para o seu futuro de uma forma agregada e complementar.

Os "estarolismos" e "provincianismos" não podem ser a regra que serve de âncora ao desenvolvimento da região e ao desenvolvimento da população. 

Se não formos nós a olhar pelos nossos...

Se o Porto deu o nome, Guimarães foi o berço. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:33

O Inicio

por Nunovsky Ops, em 15.04.20

A primeira declaração...

O primeiro post...

Observar Portugal do ponto de vista de quem está numa das portas de entrada e saída do país...

Fora da bolha da Capital do Império que teima em voar em passarolas... Longe do país real... Mas, nos nossos dias, o que é o real e o que é o fictício?

Isto vai ser giro... ou então não!!!

O que importa é que, neste período histórico em que estamos todos assombrados e em isolamento social por causa de um inimigo silencioso e impiedoso, não podemos perder o bom senso e a objectividade...

Assim espero...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:55

Pág. 4/4




Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


subscrever feeds




Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D