Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


A felicidade da mentira

por Dafrog, em 25.05.22

O ser humano é mentiroso por natureza, ponto. Claro que, como em tudo na vida, há uns mais do que outros. Não, não venho aqui falar dos mestres da mentira, os políticos. Venho falar dos outros, nós. Sim nós pois eu também sou um ser humano e não sou nem mais nem menos que qualquer dos que está a “botar as vistinhas” neste texto.

Claro que nenhum de nós gosta de se achar mentiroso, nem coisa que se pareça. Muito menos gosta que nos chamem de mentirosos. Podíamos estar aqui a dissecar que há mentiras e mentiras. Há aquelas que servem para proteger, há outras tão pequenas que pensamos não terem mal nenhum, há as escabrosas, e depois há as doentias.

Conheço algumas pessoas que ao longo dos anos sempre primaram pela sinceridade e honestidade. No entanto, há uma velha máxima que se foi apagando na minha memória: nunca confies plenamente em ninguém. Anos a fio esqueci-me, gradualmente, dessa verdade. Irónico, não é?

A mentira faz sofrer. A mentira dói. A mentira faz-nos sentir traídos, qual Júlio César no dia da sua morte, às mãos daqueles em quem mais confiava. A mentira faz-nos sentir deprimidos, ansiosos, revoltados, magoados, com sede de vingança, prontos para espancar a primeira pessoa que nos apareça à frente….

Nada disso. Há mentiras que vêm por bem. Há mentiras que nos fazem crescer, conhecer novas pessoas em quem confiar, ver o mundo de uma forma mais assertiva, sentir uma confiança que cresce a cada dia, ter mais apetite, rir, correr, fazer exercício, ter vontade de sair com os amigos, beber uns copos, dançar e principalmente voltar a AMAR!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:54

Conchita

por Dafrog, em 18.05.22

Sabem aquelas pessoas que, por muito que procurem, não têm defeitos? Pelo menos daqueles defeitos que nos fazem levar a nunca mais as querermos por perto pois tornam-se tóxicas? A minha amiga Conchita (aka Anabela Reis) é uma das raras pessoas que conheço que é assim. A nossa amizade começou há mais de 20 anos, um pouco menos de metade da minha vida, já a dela seguia em fase cruzeiro. Mãe de um casal fantástico (outra coisa não poderia deixar de ser com uma mãe assim), a Conchita sempre primou pela honestidade, simpatia e frontalidade, quer no trabalho (local onde a conheci), quer na vida pessoal (o melhor dos sítios para conviver com ela). Dona de uns olhos azuis "penetrantes" e de expressões que fazem as delícias de quem com ela convive, a Conchita também nos brinda com delícias gastronómicas, capazes de comer e chorar por mais. Quem não gosta de um ou sete cachitos ou de uma ou cinco fatias de pão de jamon? Por mim era todos os dias...

Mas o que mais admiro nesta amiga é este adjectivo. A amizade! 

É um verdadeiro poço sem fundo, capaz de guardar a sete chaves qualquer conversa que tenhamos. Devido à sua experiência, nos mais diversos campos, é definitivamente aquela com quem me procuro aconselhar sobre todo o tipo de problemas. As longas conversas que tivemos durante estes anos, dos quais muito me orgulho e agradeço por tão grande amizade, são como um bálsamo para a alma. 

"Rambóia" é com ela, ou não tivesse uma costela (ou coluna) carnavalesca. Aguenta pouco as caipirinhas, ficando logo com vontade de rebolar no sofá mais próximo e com um nariz parecido com o do Rudolfo (a rena). Fala um pouco alto com os clientes, principalmente com aqueles que não falam a mesma língua (vá-se lá perceber porquê). Assusta-se facilmente e se caso for berra que nem uma Madalena.

Mas acima de tudo é das melhores que conheço em todo o Universo e quiçá no mundo!

Parabéns e um bem haja minha querida AMIGA!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:23

Dia da poesia

por Dafrog, em 21.03.22

Ele sem ela nada era

Ela sem ele era o mundo

Sentados na praia a admirar o sol

As ondas a bater morriam levemente

Assim como o amor dos dois

Seria sempre assim

Até ao final dos tempos

Afinal o amor também morre

Como as ondas ao bater na areia

Para ele ela era tudo

Para ela ele já o foi

Nem o calor do sol a entrar na pele

Aquela mesmo que ele adorava percorrer

Traria um alento ao coração

Na dúvida de que voltaria a ter

Aquele amor que já foi seu

Ele sem ela nada seria

Ela sem ele tudo teria

A alegria o encanto a beleza

Que o tempo reclamou

Os anos passaram

E ali ficaram os dois

Naquela praia a mirar o horizonte

Na esperança que as ondas trouxessem

Aquele amor que o tempo levou...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:05

Ucrânia

por Dafrog, em 01.03.22

Relato-vos uma pequena história de um episódio de uma das minhas séries preferidas, Seinfeld, temporada 6, episódio 12 (A máquina de rotulagem).

Alugures a meio desse episódio, Cosmo Kramer e o carteiro Newman, seguem no metro a jogar o Risco, um famoso jogo de tabuleiro em que duas potências se defrontam pela conquista do mundo:

Kramer (K) – “Para de engonhar, Joga lá.”

Newman (N) – “Não consigo pensar. É por causa deste barulho todo.”

K – “Ou será porque construí uma fortaleza à volta da Grnelândia, corri contigo da Europa Ocidental e deixei-te à beira do extermínio absoluto?

N – “Ainda não estou vencido. Ainda tenho torpas na Ucrânia. Sim a Ucrânia.”

De repente surge no ecrã um homem de gorro soviético a olhar por cima dos ombros para tão inusitada cena…

K – “Sabes o que é a Ucrânia? Um alvo fácil. É uma bosta, Newman. A Ucrânia é fraca. É frágil. Acho que chegou a altura de atacar a Ucrânia.”

Ucraniano (U) – “Venho da Ucrânia. Você não dizer que a Ucrânia ser fraca.”

K – “Isto é um jogo, amigo.”

U – “A Ucrânia é um jogo para vocês?”

E de repente enerva-se e dá um soco no tabuleiro mandando todas as peças pelo ar…

Esta é a raça deste povo, um povo que não desiste e que sempre lutará pela liberdade!

Estamos juntos!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:01

Pandemia depressiva

por Dafrog, em 25.01.22

Quantos de nós não passaram já por um estado depressivo-melancólico desde Março de 2020? Se a Covid veio matar muita gente, a depressão ainda mais.

Hoje, enquanto lia os pasquins, verifico que foi assinado um protocolo entre o IPDJ e a Cruz Vermelha, para o acesso facilitado de atletas e treinadores de alta competição a psicólogos e estruturas no apoio à saúde mental. O campeão mundial de surf vai "parar por uns tempos para cuidar da saúde mental", um lutador de MMA, Pierre Ludet, suicidou-se. O grande Ilicic (jogador da Atalanta), está practicamente acabado para o futebol devido à depressão.

Como diz o treinador da equipa italiana "a nossa mente é uma selva". Nada mais verdadeiro.

Tristes aqueles que gozam com a depressão não a considerando uma "doença séria". Pessoalmente e felizmente nunca cheguei a esse estado clínico. Tenho pessoas próximas que sofrem de forma crónica há várias dezenas de anos. 

Basta um clique, um desgosto, uma rejeição ou por vezes uma palavra para despoletar em nós um estado de melancolia e tristeza tais que não imaginávamos ser possível. 

É nesses momentos em que os amigos e a família são fundamentais. São eles as bóias que nos impedem de ir ao fundo.

Feliz de quem lá esteve (na selva) e conseguiu sair. Esses sim são os  verdadeiros "Tarzans"...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:51

O debate VSCosta vs FCRio

por Nunovsky Ops, em 15.01.22

No dia 13, em prime time, tivemos o confronto final, o derradeiro tira-teimas, o mano-a-mano, o debate final...

 No fundo tivemos o debate da praxe entre o candidato do PS e o outro candidato do PS mas intitulado com aqueles clichés que a comunicação social caseira tanto gosta...Um conjunto de banalidades e boutades ditas em função da eleição que se avizinha...

Eu sei que muitos dirão que se trata do futuro do país e que deveria prestar atenção ao debate mas infelizmente, para mim, trata-se apenas de um conjunto de lugares comuns e argumentos demagógicos para alimentar a imagem de que o futuro da nação se discute... Erro pois a verdadeira negociação é feita nas sedes partidárias e nos escritórios de certos advogados...

Será que têm uma estratégia para o país que não seja em beneficio próprio ou dos seus correligionários em vez do beneficio comum? Será que têm uma visão global sobre todo o território e não apenas pelas "bolhas" urbanas de Lisboa e Porto? Será que conhecem as dificuldades do cidadão comum? Disseram alguma coisa decente e construtiva no debate? Não sei por que não vi, não vi as repetições nem os comentários ao jogo.

Decidi ver uma reportagem televisiva, à hora da contenda política, sobre um senhor que vive sozinho numa aldeia de Boticas desde 2007. Sim 2007, há cerca de 15 anos. 

 © Leonel de Castro/Global Imagens

O caso pessoal do Sr José tornou-se publico graças a uma reportagem do DN "A aldeia de um homem só".

Depois as redes sociais fizeram chegar a informação ao clube do coração do sr José e a partir daí tudo se desenrolou para que este fosse ver um jogo ao Dragão... (curiosamente a onda das redes sociais começou com um adepto de um clube rival...).

Na reportagem assinada pelo (grande) Ricardo Amorim são despejados nos nossos olhos uma catadupa de problemas sociais que deveriam ser prioridades políticas: a desertificação do interior, o envelhecimento demográfico, os serviços sociais de proximidade, os serviços de utilidade publica etc. Que banho de realidade... E o poder local a fazer das tripas coração para acudir os seus concidadãos... E a comunicação social local que deve ser apoiada...

Depois da reportagem pensei: "os meus impostos devem ser aplicados nestes casos..." Demagogia? Eu sei que sim, mas se os outros podem eu também posso...

O link da reportagem (sem clubites apenas serviço público...): https://portocanal.sapo.pt/um_video/lwgSSr46IQ58cYWOAh8f

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:04

Os amigos

por Nunovsky Ops, em 14.12.21

A amizade já não é o que era.

Nos nossos dias, e como consequência das redes sociais, ser amigo já não significa ser amigo. Somos amigos por um clique, por uma foto, por um gosto. E por isto e mais alguma coisa somos "desamigados".

Estes "amigos" empurram-nos as suas vidas pelos ecrans sempre felizes e plastificadas. Quando era miúdo, estes "amigos" eram chamados de "conhecidos". Uma pessoa conhecia outra de vista, pela sua aparência ou frequência de algum lugar.  Se achássemos alguma coisa em comum, aí partia-se para a amizade, geralmente duradoura.

Hoje é tudo muito mais fugaz, mais artificial e mais falso... São os chamados "amigos da onça" ou "amigos de Peniche" (ide lá ver ao dr Google o porquê...). 

Se ainda persistem os jurássicos "amigos do alheio", já os "amigos coloridos" é uma denominação nova para um conceito antigo e mais não digo...

Eu, depois da pandemia, descobri que não tenho amigos. Tenho uma família que não é de sangue mas de coração...

Esses desgraçados, para além de me aturarem, são uns irmãos que me amparam, me inspiram e me ensinam a ser uma pessoa melhor.

Quando estamos todos juntos o tempo pára, as horas voam e as conversas fluem. Já para não falar das mirabolantes histórias que passam pela mesa: desde a infância da Rosa e sua irmã, ás aventuras do Pantanas e do Afogapitos... e tudo sempre com uma alegria contagiante. E depois existem aqueles que estão sempre a pensar em comer e a fazer os outros beber... água.

Que melhor definição de amigos do que esta? 

E, claro, quando algum de nós está a passar um momento menos bom, lá estamos todos... porque é nestes momentos que conhecemos os verdadeiros... (Bem, o Sócrates também tem um amigo porreiro, pá...)

A única coisa boa do vírus foi ter-me dado esta visão tão límpida dos Meus...

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 05:24

Dar o pito, a passarinha e o sardão!

por Dafrog, em 13.12.21

Para lá do Marão, mandam os que lá estão. E se os que lá estão decidiram que hoje é dia de dar o pito. Que assim seja pois, cá estamos para o receber com todo o gosto.

É oficial! Hoje é o dia de dar o pito....em Vila Real.

Quem não gosta de um saboroso pito? O Sr. Manuel Alves, um local escolhido ao acaso, após comprar pito para oferecer à família afirma: "São eles que vão avaliar a qualidade do pito porque já conhecem melhor a tradição do que eu". Já a D. Susana, produtora de pito, relata: "Gostava de pitos e gostava muito de uns pitos que comia quando era criança...".

E tudo isto às claras de Santa Luzia, no dia que celebra a mesma 13 de Dezembro.

Pela minha terra, o festejo é idêntico. Na freguesia de Santa Luzia, na capela de Santa Luzia, trocam-se sardões e passarinhas. Os jovens rapazes oferecem à rapariga de quem gostam o seu sardão e esperam receber de volta a passarinha da moça, num sinal de amor retribuído e comprometimento futuro. 

É caso para dizer, botai os olhinhos nestas belas tradições...

 

Dia de dar o Pito: a tradição assim o manda em Vila Real | nculturaDibia Lordelo - Meninas hoje é dia de dar o PITO ..... | Facebook

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:33

Comer gelados com a nuca (que com a testa é fácil)

por Dafrog, em 26.10.21

Isto de um gajo ter por hábito ler as notícias logo pela manhã, é algo que me apraz e muito. Quer dizer, há dias que nem tanto mas, hoje, devo informar, foi deveras humorístico.

Passemos ao que interessa que eu gosto de partilhar convosco as coisas boas da vida.

O assunto de momento é o já famoso “bailinho da Madeira anual”, ou seja o debate do Orçamento de Estado (OE). O PS desde cedo iniciou diálogo com os mais diversos partidos de forma a aprovar ou fazer passar o OE de fininho, sem levantar grandes ondas não vá alguém topar os impostos a subir como o balão da Manuela Bravo… O PSD, como seria de supor vai votar contra e o Rui Rio esfrega as mãozinhas (literalmente) à espera de eleições antecipadas. Os amigos da Geringonça, quais esposas traídas, já afirmaram que íam votar contra, o que levou Carlos César (PS) a acusar (imaginem só vindo de quem) o PCP e o Bloco de “jogos de poder”. Vale a pena uma analogia? A Joacine por ser adepta das minorias e, visto o PS estar sozinho “nesta luta” vai abster-se. Quem também se vai abster é o PAN despois de ouvir o Governo a ganir….

E agora para algo completamente diferente temos o Novo Banco ou novobanco depois do rebranding. E se muitas piadas pudessem ser feitas quando a este assunto, nada melhor que ler o original:

“O Novo Banco é a partir desta segunda-feira novobanco. A instituição apresentou a sua nova identidade que “responde ao novo ciclo de crescimento”, destacou António Ramalho no lançamento da nova imagem, em Lisboa. A renovação da marca vai representar um investimento de 80 milhões de euros, revelou o CEO do Novo Banco aos jornalistas. Dos quais 1,5 milhões correspondem à parte criativa (de elaboração da nova imagem) e à campanha de meios que arrancará agora nos jornais, televisões e rádios. “É metade do que nos custa uma auditoria especial regular”, notou Ramalho, referindo-se aos custos de três milhões de euros que tem para a realização de auditorias por causa das ajudas pedidas ao Fundo de Resolução.”

Ora então 1,5 milhões de Euros (só para a nova imagem) para mudar a cor de verde para azul vómito e juntar o nome poupando nas letras, pois agora são todas em minúsculas. Eu fazia melhor numa noite de copos, ou a comer gelados com a nuca, que com a testa é fácil demais….

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:25

Empurrar com a barriga

por Dafrog, em 06.10.21

A mais recente entrevista do Presidente Marcelo, feita pelo futuro ex-jornalista Miguel Sousa Tavares, serviu de aviso a António Costa. No entanto, o senhor da bazuca, prontificou-se a empurrar com a barriga qualquer mal-entendido que houvesse em relação a quem, como, quando e porquê irá gastar tantos milhões: o Governo.

Nada mais correcto diria a maior parte das pessoas. Nada mais errado dirão uns poucos que, como eu, estiveram atentos à recente campanha para as eleições autárquicas. Há uns anos, Costa terá dito que quando “andava sem gravata era o Secretário Geral do PS, mas quando tinha gravata era o Primeiro-Ministro que estava a falar”. É certo que sempre que Costa andou em campanha raramente ou mesmo nunca apareceu de gravata, o que me leva a supor que era o primeiro da já referida dicotomia Dr. Jekyll e Mr.Hyde. E é mesmo aí que nos leva a palavra dicotomia. Uma dicotomia é uma divisão de um todo em duas partes, ou seja, esse par de partes deve ser conjunto exaustivo: tudo deve pertencer a uma parte ou a outra, e mutuamente exclusivo: nada pode pertencer simultaneamente a ambas as partes.

Chegamos porém à conclusão que, sem gravata, Costa diga que vai fazer tudo e mais alguma coisa com os “milhões da bazuca”, desde hospitais a creches, estradas, estradinhas, comboios, aviões, apoios sociais, desde que votem no PS. Com gravata, já afirma que o o dinheiro que chegou (ou chegará) da Europa, é do país e “todos temos de estar preocupados em assegurar que cada cêntimo é gasto com a maior eficiência, com a maior transparência e sem qualquer suspeita de corrupção".

Este Primeiro-Ministro da moda saiu-me cá um galhofeiro…

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:33



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


subscrever feeds




Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D